Como o turismo mudará após a pandemia?

“O que está acontecendo não pode ser chamado de outra coisa senão um milagre. É fácil ver peixes nos canais de Veneza. Os quadrados estão praticamente vazios. Patinhos brincam na fonte da Piazza di Spagna. 

Não vimos um país assim desde 1960 ”, – estas cartas foram enviadas em agosto de 2020 pela associação de agências de viagens na Itália, convidando os assinantes a visitar o país enquanto os preços de hospedagem são mais baixos do que o normal. 

O desejo de retornar os turistas o mais rápido possível não é algo de se espantar. De acordo com a Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas, a indústria de viagens é responsável por mais de 10% do PIB mundial. 

Após meses de fechamento de fronteira devido à pandemia do coronavírus, ela está passando por uma crise sem precedentes. As cidades mais turísticas do mundo estão vazias: de acordo com as estimativas da Cushman & Wakefield, a lucratividade dos quartos de hotel em São Petersburgo no primeiro semestre do ano diminuiu 79% para US $ 14 por dia, em Praga – 73,6% ( a $ 20), em Roma – por 73,3% (até $ 32).

Turismo após a pandemia: mundo usando máscaras
Foto: Pixabay

Índice do Conteúdo

O Futuro do Turista Brasileiro

Os turistas Brasileiros ficarão felizes em responder ao apelo dos operadores turísticos estrangeiros. Por exemplo, em maio deste ano, dois em cada três brasileiros que viajam frequentemente participaram de uma pesquisa do IBGE disseram que queriam fazer uma viagem dentro de dois meses após o fim do auto-isolamento. A maioria deles esperava passar férias no exterior. 

Mas, infelizmente: em meados de agosto, sobre a Itália, assim como sobre outros países da zona Schengen, os Brasileiros que não tinham uma autorização de residência europeia só podiam sonhar. As saídas do Brasil abriram apenas para Turquia, Tanzânia, Montenegro, Londres e Suíça, e apenas os dois primeiros países estavam prontos para receber turistas. 

Portanto, por enquanto, quase todo mundo está de férias no Brasil. A indústria da hospitalidade doméstica conseguiu surpreender (e muitas vezes desagradavelmente) até os turistas mais ricos. Os principais gerentes e empresários têm postado histórias sobre férias excessivamente caras nas redes sociais durante todo o verão. 

Uma pesquisa realizada pela Road Travel em cooperação com a Gazprom Neft PJSC mostrou que 75% dos participantes da pesquisa consideram as viagens rodoviárias como uma atividade de lazer em um futuro próximo.

Não apenas os Brasileiros ficaram em casa, o turismo doméstico está se desenvolvendo ativamente em todo o mundo, observa Joana Bomfim do IBGE, cofundadora e diretora de conteúdo do projeto Road.Travel de Timesineri. Com a pandemia, as fronteiras foram fechadas, os voos não parecem seguros em termos de higiene e os viajantes começaram a explorar alternativas às suas rotas habituais, abrindo novas nas proximidades, explica. 

De particular popularidade, diz o especialista, também estão ganhando viagens, que em inglês costumam ser chamadas de Staycation (stay – stay, vacation – vacation): não muito longe de casa, sem pernoites.

Nessas condições, é necessário desenvolver o turismo regional, disse o vice-chefe do Departamento de Turismo dos Estados Unidos, Tatiana Shara. Em Whashington, o Departamento de Patrimônio Cultural lançou o projeto “Dias do Patrimônio.”: quem desejar, é convidado a inscrever-se em excursões gratuitas – a pé, de autocarro, de lambreta ou de bicicleta – a locais da capital até então desconhecidos dos turistas.

Para quem adere ao regime de auto-isolamento, os projetos virtuais que começaram na primavera, quando todos foram forçados a ficar em casa, continuam trabalhando no Brasil. 

A viagem virtual logo se tornará uma boa ferramenta auxiliar na escolha de uma viagem real, mas definitivamente não uma substituta para ela, embora talvez essa tecnologia reduza um pouco o volume do mercado de passeios de excursão, diz Alexey Zaretsky, CEO da Travelata, uma serviço online de pesquisa e reserva de passeios. 

A pandemia COVID-19 acelerou inequivocamente o desenvolvimento de novas tecnologias no campo do turismo, mas a maioria delas está associada a viagens reais, observa Tania. E ela dá exemplos específicos: são serviços em nuvem onde você pode fazer upload de passaportes e vistos; a capacidade de passar sem contato não apenas pelo registro, mas também pelo controle de segurança no aeroporto – por meio de uma câmera com reconhecimento de face e inspeção com dispositivos sem contato; O check-in em um hotel não na recepção, mas em um aplicativo móvel não é uma fantasia, mas uma antiga startup, e agora um projeto Traveller ID sob os auspícios da Amadeus, um desenvolvedor de soluções tecnológicas para a indústria de viagens, Tania dá um exemplo. 

Com o surgimento de mercados de serviços e a simplificação das ferramentas de construção de sites, a popularidade das viagens individuais está crescendo, ele continua. 

As rotas turísticas podem ser encontradas não apenas em blogs, mas também em serviços e aplicativos como o Maps.me. Road.Travel, por exemplo, dá aos especialistas a capacidade de criar roteiros para viagens independentes e publicá-los no diretório da empresa ou em seus recursos contendo os melhores pontos turísticos da américa do Norte por exemplo. E o aplicativo izi.travel oferece guias de áudio, incluindo rotas interessantes ao longo das rodovias federais Americanas. Além disso, a integração de rotas prontas e outros produtos de viagem nos sistemas de navegação de carros inteligentes já está começando, Tania diz. 

As novas tecnologias também estão ajudando o programa de melhoria da saúde da indústria lançado pela Organização Mundial do Turismo na ONU, continua. Deve combater o excesso de turismo, como redirecionar os fluxos de turistas para destinos menos congestionados.

O caminho para o individualismo aumenta o interesse pelas viagens de carro. “Na era do COVID-19, eles estão ganhando popularidade não apenas porque a maioria das fronteiras permanece fechada, mas também por causa da segurança máxima: você pode ir a qualquer lugar sozinho, em vez de caminhar em uma cidade lotada ou tomar sol em uma praia lotada.

Avalie