Joinville, roteiro de muita história e charme

Conheça um pouco mais sobre esta incrível cidade do leste catarinense.

Joinville Santa Catarina

A cidade de Joinville, localizada na região leste do Estado de Santa Catarina é conhecida como a Cidade dos Príncipes. Além do mais é considerada a capital nacional da dança – especialmente porque recebe a filial brasileira de uma das maiores escolas de ballet do mundo o Teatro Bolshoi.

Outros motivos que a tornam também conhecida nacionalmente é o fato de que é considerada a cidade das bicicletas, das flores e, por mais que se pense que é a capital Florianópolis, ela é a maior cidade de Santa Catarina, algo que faz com que as imobiliárias em Joinville sejam altamente especializadas no atendimento aos clientes.

Somente como esses exemplos se pode entender que são muitos os títulos e características especiais que fazem de Joinville uma cidade especial, que tem muitos encantos, uma riqueza cultural importantíssima e, principalmente, muita história pra contar.

Por essa razão, nesse post você poderá acompanhar algumas dicas sobre alguns dos principais pontos turísticos que compõe um roteiro instigante e charmoso pela cidade de Joinville! Acompanhe!

Dica 1 – Visite o portal de entrada de Joinville

Se você busca por casas para alugar em Joinville, você já vai se encantar logo ao chegar à cidade. Isto, porque já na entrada você encontrará o portal da cidade, que por ter imigração alemã é um pórtico de ingresso extremamente charmoso. Este hall de entrada segue o estilo enxaimel, lembrando muito a entrada da cidade de Gramado (RS) e tantas outras do sul do Brasil. Ele reúne algumas das características mais particulares da arquitetura alemã dos séculos passados. Ele remonta ao período de colonização que a cidade assistiu desde sua área mais urbana até a sua zona rural. Passando por ali, vale à pena tirar uma bela foto!

Dica 2 – Não deixe de ir à Expoville

Este local deve ser visitado com toda certeza! A Expoville é um local que reúne uma grande área verde, contendo um centro de eventos (chamado Expocentro), além de um centro comercial e um lindíssimo parque. Ali você poderá encontrar várias lojinhas, contendo lembranças típicas da cidade, como chocolates artesanais, bolachas típicas, chaveiros, bibelôs, camisetas e até mesmo incríveis relógios-cuco! Para quem tem crianças, vale a pena dar uma passada por ali, pois esta área do parque Expoville contém lago com pedalinho, um parquinho feito todo em madeira e sempre reúne atrações com atividades para adultos e crianças de todas as idades!

Dica 3 – Conheça o Parque da Boa Vista

Este parque fica aberto diariamente das 7h às 19h, sendo que o acesso a todas as suas áreas é gratuito. Nele, você encontrará um pitoresco letreiro da cidade, com caligrafias em estilo alemão. O local foi inaugurado em 1980 e está localizado no ponto mais alto do morro da Boa Vista, tendo uma elevação de 240 metros de altitude acima do nível do mar.

O local mais badalado do parque é o acesso ao mirante, que pode ser feito por escada ou elevador, sendo que o visitante encontrará 360 graus de vista para a cidade de Joinville e para a baía da Babitonga – um espetáculo especialmente para quem deseja vislumbrar o por do sol a olho nu ou gratuitamente com o auxílio de binóculos. É possível aos visitantes, ainda, passear por uma trilha elevada, rodeada pela vegetação característica da Mata Atlântica brasileira.

Dica 4 – Dê uma passadinha pelo Zoobotânico

Este local fica na subida do morro da Boa Vista e reúne uma área de preservação contando com viveiros para macacos, répteis e muitos pássaros. A área tem um lago com uma ilha, utilizada como habitat para uma simpática família de macacos-prego. Você encontrará no local um parquinho para as crianças, além de alguns quiosques para piquenique.

Dica 5 – Visite o incrível Museu de Sambaqui

O Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville (MASJ) preserva a história dos primeiros moradores da região, conhecidos como povos construtores de sambaquis.

Os sambaquis nada mais são do que morros com milhares de conchas e itens diversos de calcário, que geralmente eram erguidos em praias, foz de grandes rios e baías (como é o caso de Joinville), por povos que habitaram o litoral do Brasil na Pré-História, reunindo uma grande riqueza arqueológica.

O acervo do museu possui ossos de crânios, da bacia e mandíbulas desses povos, além de utensílios domésticos, ferramentas, pontas de flechas esculpidas e fibras vegetais utilizadas como cordas há mais de 3 mil anos. O museu dispõe de monitores, que acompanham os visitantes explicando tudo.

Dica 6 – Dê uma ida até o Museu Nacional da Imigração e Colonização

O prédio do museu foi projetado em 1870 em estilo enxaimel para servir como local de administração da colônia de Dona Francisca, filha de Dom Pedro I, que casou com o príncipe francês François-Ferdinand-Philippe-Louis-Marie d’Orléans. Este é o motivo que a cidade se chama Joinville, o casal recebeu as terras da cidade como presente de casamento e decidiram homenagear a cidade de nascimento do marido, Joinville-Le Pont.

O local, outrora chamado de “Palácio dos Príncipes” é tombado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, órgão responsável pela preservação e divulgação do patrimônio material e imaterial do nosso país). Em 1870, o prédio virou museu com objetos que eram utilizados pelos imigrantes germânicos, com um galpão sobre transportes . Nele, os visitantes têm acesso a um galpão de tecnologia patrimonial, com exemplares de engenhos de erva-mate, farinha de trigo e também de históricas moendas de cana-de-açúcar.

Dica 7 – Visite a Rua das Palmeiras

Também conhecida pelo nome “verdadeiro”, de Alameda Brustlein, a rua das palmeiras é a campeã de buscas de quem gostaria de encontrar um apartamento para alugar em Joinville. Isto, porque a região é muito bem localizada. Ela fica no centro da cidade, exatamente em frente ao Museu Nacional de Imigração e Colonização.

Esta rua é uma espécie de calçadão sem acesso de veículos. Ela possui incríveis palmeiras, que tiveram suas mudas centenárias trazidas do Rio de Janeiro pelo administrador da cidade, Frederico Bruestlein, nomeado pelo Príncipe para cuidar da colônia – o que realizou com grande esmero, a ponto de após sua morte, receber o nome de uma das principais ruas da cidade.

Dica 8 – Sabores locais e cultura

Para a experiência da viagem ser completa, os visitantes não podem deixar de se aprofundar na cultura religiosa, cultural gastronômica de Joinville. Para tanto, podem conhecer a Catedral São Francisco Xavier (aberta diariamente), a Escola de Teatro do Balé Bolshoi (que recebe visitas monitoradas de segunda à sexta, das 10h às 14h30 e cobra taxa de R$10 a inteira e R$5 a meia entrada), além do Mercado Municipal (onde poderão experimentar deliciosas cucas, chocolates artesanais e, em seu entorno, de um delicioso café colonial).

Agora que você conheceu um pouco mais sobre esta incrível cidade, que tal programar uma visita a Joinville? Aproveite e compartilhe este post em suas redes sociais!

Avalie