Como embalar a mala para viajar: dicas de segurança

Apesar do turismo ainda não ser permitido por causa da pandemia do novo coronavírus, você ainda assim precisa aprender como embalar a mala para viajar. Afinal de contas, eventualmente a crise vai passar e poderemos viajar novamente para outros países como fazíamos no passado.

Por enquanto, a previsão da OMS para a vacina chegar à população em geral é 2022. É claro que muita coisa pode acontecer e esse prazo ser maior ou menor do que isso. Entretanto, já podemos começar a pensar em se planejar para uma viagem em 2022, quando poderemos matar a saudade de sair de casa e conhecer outro lugar.

Nessa hora, será preciso saber como embalar a mala para viajar. Quer ver algumas dicas? Siga a leitura abaixo!

Como embalar a mala para viajar em 4 dicas

Embalar a mala para viajar

1. Não leve objetos de valor ou frágeis nas malas despachadas

Quando vamos viajar, levamos vários objetos de valor ou frágeis com a gente. Por exemplo, levamos câmeras fotográficas, computadores, tablets, smartphones e outros itens parecidos. Algumas pessoas até levam video-games portáteis para as viagens, de modo a conseguir um pouco de entretenimento no hotel.

Um erro comum é levar esses objetos na mala que será despachada, em vez de levá-los nas bagagens de mão na cabine do avião. Isso porque as malas despachadas tendem a ser tratadas com um pouco menos de “carinho”, o que pode resultar em dano ao equipamento frágil. Dessa forma, se você quer aumentar a segurança dos seus objetos mais frágeis e valiosos, leve-os com você na cabine, em vez de despachá-los.

2. Plastifique a sua mala antes de despachá-la

Se você está levando alguns objetos de valor na sua mala despachada ou pretende proteger a sua privacidade e desestimular que ela seja aberta, então uma boa ideia é plastificá-la usando um filme Stretch ou um dos serviços de plastificação que existem nos aeroportos do mundo todo. Isso é interessante por uma série de motivos.

Em primeiro lugar, há o risco constante da mala ser aberta por funcionários da alfândega ou da empresa de transporte aéreo. Em alguns casos, a abertura é legalizada. Por exemplo, se você viajar para os EUA, a TSA (Administração para a Segurança dos Transportes) tem autorização para abrir qualquer mala e vasculhar o que está lá dentro. Outros órgãos também têm essa autorização. No entanto, em outros casos, trata-se de um crime sendo cometido. Por isso, o plástico é um desestimulante para o crime pois não há como recolocá-lo depois, além de levar tempo para superá-lo.

Em segundo lugar, a plastificação ajuda a isolar a sua mala e protegê-la de vários fatores climáticos. Por exemplo, às vezes a mala fica exposta à chuva antes de entrar no avião ou depois de sair dele. O plástico protege contra isso. O mesmo vale para outros tipos de danos, como arranhões e até mesmo amassados.

3. Tire fotos da sua mala antes de fechá-la e depois de recebê-la

Se você notou que alguém abriu a sua mala sem autorização e mexeu nas coisas dentro dela (e há algo faltando!), você precisará provar isso com a companhia aérea. Uma das maneiras de fazer isso é tirando uma foto da mala antes de fechá-la, para poder comprovar o que tinha dentro dela antes de da viagem.

Além disso, uma foto e uma listagem de todos os itens que você embalou são essenciais para poder conferir quando chegar ao seu destino e ver se está tudo ali, nada ficou para trás.

Esse controle é essencial pois, às vezes, não reparamos que sumiu um item ou algo do tipo até ser tarde demais e não conseguirmos mais discutir com a empresa aérea. Além disso, sem a foto, pode ficar difícil comprovar uma violação. Portanto, tire foto do interior e do exterior da mala, além de anotar tudo que você carregava nela.

4. Use um lacre oficial na mala

Algumas companhias aéreas oferecem o SealBag, um lacre especial que deve ser instalado na mala em um ponto fixo dela. Esse lacre ajuda a garantir a segurança, pois só pode ser aberto depois de rompido. Ou seja: não há como desfazer o lacre e tornar a refazê-lo.

Por isso, é importante deixá-lo bem rente ao ponto fixo de instalação, de modo a tornar bem difícil a sua abertura, desestimulado bandidos que queiram furtar o que quer que haja dentro da sua mala.

Além do lacre, é importante usar um cadeado também, de modo a proteger ainda mais os seus pertences. Nós recomendamos que você veja se o país de destino tem algum tipo de cadeado especial à venda, pois isso aumenta a segurança. Por exemplo, a TSA dos EUA tem um cadeado TSA, que custa ao redor de $30 dólares. Ele é bem caro, sim, mas garante que sua mala ficará protegida por mais tempo. Isso porque a TSA tem como abrir todos os cadeados e depois pode fechá-los, o que garante que a sua mala ficará protegida depois da vistoria também. Por exemplo, se você viajar para o Japão com parada nos EUA, precisará de um desses para que a mala não fique desprotegida após vistoria da TSA (se eles forem vistoriar a mala e ela não tiver um cadeado deles, vão quebrá-lo para poder abrir a mala).

Pronto, agora você já sabe como embalar a mala para viajar com segurança, seja para qual for o seu destino. Agora é só começar a planejar a sua viagem pós-pandemia! Conte para gente: para onde você vai viajar quando a crise do coronavírus passar?

Avalie